Exposição ao risco.

Os jovens têm estilos de vida e de condução que promovem a condução, com mais frequência, em circunstâncias e em horários que apresentam maior risco. Exemplos são, condução nocturna, excesso de velocidade, transportam mais passageiros que influenciam o seu comportamento, uso menos frequente do cinto de segurança e conduzem veículos mais antigos com menos dispositivos de segurança (por exemplo, não há airbags, sem apoio de cabeça).

Quando estes elementos específicos de exposição a risco são combinados com as suas capacidades de condução limitada num ambiente de condução complexa, não é surpreendente que o risco seja mais elevado do que o de outros condutores.